domingo, 14 de junho de 2015

Rumo...




Sentar-se-ão em cadeiras pré-designadas para o efeito. Preencherão cabeçalhos, serão confirmados os vossos dados-Vida, aqueles que vos tornam, também Pessoas. Haverá um momento de espera. Como em qualquer Viagem, este será o tempo em que começarão a subir os degraus para entrarem neste Comboio-Palco que vos levará a uma nova Paragem. O corte de uma tesoura. O Segredo-Terror. No início parece tudo difícil. Passa-se por um pequeno Tempo em que Nós-Interiores nos organizamos mentalmente, enquanto a caneta já grita a Vontade de começar. E assim começa a Viagem. Como nas antigas locomotivas. As pesadas rodas de ferro patinavam perante tanto esforço, aderiam ao ferro e suavemente começava a Viagem. E dávamos por nós a apreciar a paisagem, lá fora, a apreciar a Magia do que pode ser a Vida quando é vivida de forma honesta, verdadeira. E para que outros possam entrar nesta Viagem, esta locomotiva tem a necessidade de parar. Parem, se assim for, fechem os olhos, sintam o ar, oiçam o silêncio. E deixem-se, de novo, Ir.
 
Qualquer Viagem exige uma preparação. Confiem. Acreditem. Respirem e Vivam.
 
Vai correr bem. Vai correr bem...
 
Fiquem hYbris.
 
 
 

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Mundo-Peso

 
 
 
É assim que costumamos ver o mundo, por vezes... Gostava de vos poder dizer deixem lá, esqueçam isso, eu faço, vivam os dias de juventude que têm e não se preocupem eu faço. Mas os Sonhos só o são porque têm sempre um elo de ferro, um pouco mais pesado, que lhes está associado. E carregá-lo nem sempre é fácil. Mas é esse elo que nos fará sorrir, depois. Daqui a uns dias estarão na areia de uma praia, numa esplanada, deitados num sítio qualquer a ler um livro, num picnic, em terras-outras, a escrever para alguém, a falar com alguém e estarão a sorrir. E estes dias, que são agora passados sentados, deitados, semi-sei-lá, a olhar para folhas rascunhadas, para manuais, a reverem tudo o que estudaram, com o desejo de nuvens mais cinzentas, tudo isto terá passado. Dirão que iam enlouquecendo, que já sonhavam com a matéria, que sentiram que não iam conseguir, que o desespero chegou a tomar conta de vocês, que vos apeteceu atirar folhas pela janela, que a Vida parece ser muito difícil, em alguns momentos. E di-lo-ão com um sorriso, a olharem para o mesmo elo que se tornara, agora, em algodão. Quem Sonha, verdadeiramente e de forma honesta terá sempre que carregar um elo. Porque o sorriso se torna mais forte, mais franco. E por isso vos digo que por muito difícil que vos pareçam os Tempos, em tempos, nunca desistam. Ajudem-se, apoiem-se, sejam os braços-abraços uns dos outros. Gritem se acharem que sim. Chorem, se acharem que sim. Mas riam bem alto depois. Dancem, saltem, corram.
 
E Sonhem. Sempre. Sonhem.
 
(PM)