quinta-feira, 12 de março de 2015

Em processo...

Comparo muito o ator, profissional ou amador, a um humorista. Alguém que é infeliz. O ator possui diversas caixas dentro de si. Caixas de sentimentos que vai pedindo para se soltarem sempre que necessita. Dá vida a outros que nele vivem. Deixa-os contentes, mas devasta os que, por algum motivo, naquele momento, não podem experimentar a magia do que é viver nele. Falo com esses. Esses que não vivem. Tento explicar-lhes que não foram esquecidos e que ainda há esperança. Ainda há esperança de experimentar uma vida. A vida. E, no fundo, utilizando todas essas gavetas e caixas-alma, eu e muitos, aproveitamos, sendo outros, bons ou maus, um momento. O momento mais mágico – o de aproveitar o fingimento para sermos autênticos. Para sermos nós próprios.


Fábio Anunciação

domingo, 8 de março de 2015

Em processo...



E assim vamos sendo. Com os fantasmas a apoiarem, a dificuldade de decorar os textos porque o tempo continua a ser escasso, com a descoberta de novos sentimentos, emoções. Vemos o fim do período a aproximar-se. Aumentam os trabalhos, surgem os testes, as aflições, as noites mal dormidas. Tomam-se decisões que nos custam. Assim caminhamos. E ainda que devagar, caminhamos. E em Maio, lá estaremos, de novo, a emprestar o que é nosso. A sorrirmos. A chorarmos. Os abraços quentes. O Futuro.