sexta-feira, 13 de junho de 2014

Que nunca caiam as Pontes entre Nós...

Obrigado, Diogo e B. Obrigado Daniela e Bia. Obrigado, Marta, Pedro. Obrigado, Filipa e Rita. Fábio, obrigado!! Obrigado. Obrigado, Inês e Inês, Adóstia e Diana e Pedro.
 
Por sermos Desafio, somos hYbris!

quarta-feira, 11 de junho de 2014

"Pontes Entre Nós" - de mãos dadas...


Falámos sobre a Vida. Sobre as escolhas que fazemos. O que deixamos em detrimento de tantas e tantas outras. Disse-vos que, no fundo, não deverão dar tanta importância, assim, a uma apresentação, por muito importante que seja, porque o que interessa é o que se retém do Processo. Transformar a Vida na Apresentação é viver um fogo-de-artifício fátuo, ainda que ele possa ser esmagador e belo. É preciso reter o Crescimento. É preciso recordar aquilo que o Teatro pode trazer a cada um de nós para o utilizarmos como instrumento. E percebemos que, hoje em particular, tínhamos elementos a tomarem decisões muito importantes. Não pude deixar de ficar com os olhos estranhamente brilhantes. Porque senti que estavam a deixar outras Vidas em nome do Teatro. Amo-o, como sabem. Quero que o recordem. Quero que saibam o significado do desafio. Nem sempre os Deuses estão connosco, como sabem. Costumam enviar-nos estranhos recados que nem sempre compreendemos. Mas são indícios de algo divino. No fundo, o Homem sempre o quis ser. E sempre combateu as entidades divinas para o ser. O teatro tem-no refletido tanto. Acho que é isso em que nos transformamos no Palco. Em Deuses. Porque fazemos Magia como ninguém. Porque nos transformamos. Porque emprestamos o nosso corpo a personagens que nos gritam no fundo de uma folha de papel.

Deixem-nos sair, dizem eles, deixem-nos sair.

E eles, em nós, saem. E choram. E gritam. E arrependem-se. E perdoam. E afastam os que mais amam. Quantas vezes afastamos aqueles que nos são mais especiais? Quantas? 

Amanhã será mais um dia especial. Vamos voltar a ter a casa cheia. Haverá os que se vão sentar e que não perceberão nada disto pela banalidade de vida em que vivem. Não deixa de ser uma forma. Outros teremos que nos verão com gosto, desejosos de fazer o que fazemos tão bem. Porque o fazemos, acreditem. E no dia seguinte, sentiremos um vazio. Pelo fim das aulas, pelo fim… ponto de interrogação… deste projeto. Talvez voltemos a ele. Ou não. E como tudo na Vida, também estas personagens clamarão pelo luto. É preciso que elas partam. Outros dar-lhe-ão corpo noutro Tempo e noutro Espaço. Elas merecem. E nós, que queremos mais, já estaremos a conversar, numa qualquer esplanada-palco, com outras personagens, a pedir-lhes que nos digam quem são. E elas, com um sorriso matreiro, apenas nos dirão: descubram-nos, então.

Descubram-nos, então. E nós, que somos hYbris, assim o faremos!
 

Paulo Martins
 
 




 

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Projeto "Pontes Entre Nós"

Chegar a casa. O Cansaço-Feliz. Recordar a Magia feita no palco, com alunos primeiro, familiares depois . Ficam os Sorrisos. A cumplicidade. A música. Estaremos de férias daqui a uns dias. Antes teremos os Exames, as reuniões. Hoje, em dia de estreia, um dia em que nos invadiu a Plenitude, foi assim. Para a semana há mais. Que bom.