sábado, 29 de março de 2014

... em processo...

Os finais de período tendem a não ser muito fáceis. E a questão torna-se ainda mais importante quando jovens, como os que fazem parte deste Grupo, têm os seus objetivos definidos e querem, como se costuma dizer, "ser alguém na vida". Instala-se um cansaço, pois é preciso estar em muitos sítios ao mesmo tempo, fazer trabalhos para as disciplinas, tentar não descer as médias. Ao fundo, há um horizonte que se quer com poucas dificuldades. Os obstáculos vão surgindo mas mais cansados ou não, aparecem sempre com um sorriso, com o carinho estampado no rosto. Talvez nos apeteça dormir um pouco mais, aos sábados em particular. Mas vamos. Porque há um rei que nos espera, um Bobo que nos relembra a facilidade com que cada um de nós se pode perder na sociedade em que se vive, irmãs que não olham a meios para atingir fins, um Pastor que orienta. E aquece-nos a música de quem sabe cantar. E assim vamos. Em processo.
 
Obrigado pelo tanto que têm sido, pelo tanto que têm dado.
 
 






sexta-feira, 28 de março de 2014

Acerca do novo projeto

Quando se pretende obter aquilo que é de bom nas pessoas, a tendência é dar a conhecer o que de melhor temos, acabando, em muitos casos, por ser um investimento perdido.


As maiores tristezas e desilusões aparecem na vida do Homem sob a ilusória aparência do bem.

Não é, de todo, difícil confiar no outro. Difícil é saber em quem confiar num mundo em que o mais comum é ter ao lado um falso amigo. Este é, indubitavelmente mais perigoso que um inimigo assumido… 





Fábio Anunciação

domingo, 23 de março de 2014

sábado, 15 de março de 2014

... sobre o novo projeto...

Reis que se tornam Bobos. Bobos que se revelam Reis. Filhas que tudo querem e outras que nada mais querem do que amor e carinho. E, no fundo, a natureza humana a gritar-nos. A ganância, o amor, a verdade, a honra. O desprezo de uns, o auxílio de outros. O palco é pequeno demais para falar de tudo isto. Mas vamos vencendo, ensaio a ensaio, os obstáculos que nos vão surgindo. Une-nos a cumplicidade de momentos, a partilha de sorrisos. Gritamos, choramos, andamos de formas diferentes. Mas o ritmo acerta-se e acabamos por perceber que, afinal, só a caminhar lado a lado é que chegamos onde queremos, realmente. Tem sido assim desde que começámos. Esperamos que assim continue. E, em Maio, mostraremos o que temos feito. Para os colegas, os amigos, para a família. Mas o melhor ficará no palco, nos nossos olhares. Estaremos à espera de todos.