terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Festas Felizes

O Grupo de Teatro hYbris deseja a todos Festas Felizes.



Obrigado pelo carinho de todos e por estarem connosco.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Novo Projeto?

É com muita ansiedade que eu e os meus colegas aguardamos pela chegada de um novo projeto. Quase que desespero pelo barulhinho que o meu dispositivo móvel faz sempre que recebo um e-mail, e que esse e-mail contenha o novo guião. Conto com a experiência que se vai ganhando com estes projetos mágicos para me ajudar.

E vocês? Será que estão tão ansiosos como eu por saber que projeto virá a seguir?

Diogo Carvalho

domingo, 15 de dezembro de 2013

... de novo, sobre o "O Bolso".



É-me difícil falar do teatro. Porque considero que nem sempre é fácil falar daquilo que amamos, daquilo que nos torna os dias mais soalheiros. Porque é isto que sinto pelo teatro. Amamos a nossa família, os nossos amigos, lugares que nos fazem sentir bem. O palco é um espaço mágico. Faz-nos bem. Vivemos, revivemos, morremos para percebermos o quanto é importante a Vida. E percebi-te, D., quando disseste que te custou olhar, pela última vez, aquele foco. Uma Inspiração. No fundo, podemos sempre encontrá-la. O palco-Vida é, apenas, um outro espaço. Tenho saudades do palco. Mas tenho-o vivido com todos os que neste pequeno mas tão grande grupo estão. Cumprimos o que sonhámos. Levar a magia a quem nos ouviu. Haverá sempre alguém que não tenha gostado. Ouvimos sempre alguém que não percebe, que considera, não a escola e o teatro, mas a vida que têm algo muito aborrecido. Mas aos poucos talvez consigamos levar um pouco daquele foco a quem está assim, no lado do palco onde se encontra o projetor amarelo. E continuaremos. A pensar em mais projetos. A querer sonhar mais. E no fim, estará lá quem tem que estar. O público. Porque é ele que acaba por dar o maior sentido aos nossos caminhos.
 
Obrigado pela presença de todos. Obrigado pelo vosso empenho, carinho e tantos sorrisos quentes. Tornam tudo mais fácil assim. Somos desafio, somos
 
hYbris.





(Paulo Martins)

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

"O Bolso"

Por enquanto, o "O Bolso" fechou-se, não definitivamente, pois todo este trabalho, que durou cerca de três meses a ser preparado, não foi em vão, todas as vivencias foram registadas na nossa memória.
Foi extremamente doloroso olhar uma última vez para aquele foco, mas encontraremos mais desafios e há que levantar a cabeça e enfrentá-los.

Provámos que podemos ser bons, Provámos que podemos ser hYbris.

Diogo Carvalho

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

"O Bolso" - cartaz, programa e flyer

O dia das aprsentações aproxima-se a passos largos. O nervosismo já nos acompanha também. É bom senti-lo. Aos poucos o projeto foi ganhando asas, alterámos as nossas vidas, estivemos muitas horas na escola. Mas tem valido a pena. Mesmo. No dia 12 lá estaremos, no palco, a fazer aquilo que nos apaixona. Já ganhámos com todo o processo. Depois deste, que venha o próximo.





quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Mais um pouco a propósito de "O Bolso"


A real pessoa é um ladrão ingénuo que revela o seu ato, assume-se como culpado. É facilmente ultrapassado por uma sociedade habitante de uma podridão imensa, através da qual consigo prever um cenário tão escuro que nada deixará para contar e, felizmente, acabará com aquilo que, em tempos, foram apenas vidas humanas.


Fábio Anunciação

terça-feira, 19 de novembro de 2013

... a propósito de "O Bolso"


Entrei no café com um rio na algibeira





Entrei no café com um rio na algibeira
e pu-lo no chão,
a vê-lo correr
da imaginação...

A seguir, tirei do bolso do colete
nuvens e estrelas
e estendi um tapete
de flores
a concebê-las.

Depois, encostado à mesa,
tirei da boca um pássaro a cantar
e enfeitei com ele a Natureza
das árvores em torno
a cheirarem ao luar
que eu imagino.

E agora aqui estou a ouvir
A melodia sem contorno
Deste acaso de existir
-onde só procuro a Beleza
para me iludir
dum destino.
 
de José Gomes Ferreira
(por Paulo Martins)


sábado, 16 de novembro de 2013

Acerca do "Bolso"


Aqui deixarei algumas estrofes da autoria de Alberto Caeiro, associadas ao exercício dramático em que nos encontramos a trabalhar. As estrofes são as seguintes:


1 - "Vale mais a pena ver uma cousa sempre pela primeira vez que conhecê-la,
Porque conhecer é como nunca ter visto pela primeira vez,
E nunca ter visto pela primeira vez é só ter ouvido contar."

2 - "Nas cidades a vida é mais pequena
Que aqui na minha casa no cimo deste outeiro.
Na cidade as grandes casas fecham a vista à chave,
Tornam-nos pequenos porque nos tiram o que nossos olhos
nos podem dar
E tornam-nos pobres porque a nossa única riqueza é ver"

3 - "A espantosa realidade das cousas
É a minha descoberta de todos os dias."

"O Bolso" - ensaios

hYbris, Grupo de Teatro, continua os seus ensaios para a apresentação do primeiro projeto do corrente ano letivo, em Dezembro, desta vez a partir da adaptação de um texto original de Ruy Jobin Neto. A paixão pelo teatro tem sido demonstrada pelos elementos que fazem parte do grupo, este ano e a motivação é muita. Mais fotos em breve.
 







 
 
(Fotos de Paulo Martins)

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Novos projetos...

O ano letivo começou. Também este grupo, que procura nas suas vivências diárias, tornar o teatro vida e a vida em teatro. Somos menos. Muitos foram para a faculdade, outros estabeleceram as suas prioridades. E por que a falta de visão continua a existir, uma das coordenadoras deste grupo viu-se obrigada a mudar de escola. Mas ficou a vontade de continuar neste novo caminho que há de nascer. Do ano passado ficaram as saudades de um projeto que nos fez voar e a vontade de tornar os erros cometidos em novos e refrescantes desafios. Formou-se uma equipa. Pronta a decorar mais um texto, a contornar dificuldades. Para todos crescermos e um dia, mais tarde, relembrarmos. Leram-se textos. Ficou um. Pequeno. Fizemos as adaptações devidas tendo em conta o tempo, o número de atores / atrizes. E assim ficou um, da autoria de Ruy Jobim Neto. Chamar-se-á "O Bolso". E será sobre a sociedade em que vivemos, sobre os sonhos de todos nós e sobre as formas que utilizamos para aniquilar o que é genuíno, puro, verdadeiro. Será uma história de amor. Uma história sobre a infância de todos nós. Em Dezembro.
 
Cá vos esperamos, com a crença que as prioridades que cada um estabelece, dia a dia, valha a pena.
 
Um bom ano letivo. Cresçamos com o teatro e no teatro.